Mostrando postagens com marcador baratear. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador baratear. Mostrar todas as postagens

domingo, 12 de janeiro de 2014

Lei de desmanche vai baratear seguro de carro

VALOR ECONÔMICO - FINANÇAS

O Estado de São Paulo deu o pontapé na regulamentação de desmanches de carro, que tem potencial para baratear o custo do seguro de automóveis por dois motivos: por diminuir a incidência de roubo e furto e por possibilitar o uso de peças usadas em reparos, dois dos principais componentes para a formação de preço do seguro.

Atualmente, apenas 30% da frota de veículos no país tem seguro, percentual que está estagnado há pelo menos 20 anos. Com a possibilidade do uso de peças usadas em reparos de carros, porém, essa fatia pode subir para 50% nos próximos 10 anos por diminuir o custo da apólice, estima Luiz Pomarole, diretor geral de produtos da Porto Seguro, líder desse mercado.

"Os outros 70% da frota não fazem seguro por várias razões, entre elas o custo, mas também têm pessoas que não fazem por morarem em lugares em que o risco é baixo, que tem baixa incidência de roubo e colisão. Esse provavelmente vai continuar não fazendo seguro", diz Pomarole.

A frota brasileira é composta por 81,6 milhões de veículos, sendo 55,9% de automóveis, 26,4% de motocicletas, 10,7% de utilitários e 3,8% de caminhões, segundo dados do Departamento Estadual de Trânsito (Detran) compilados pela Siscorp, empresa que reúne dados do mercado de seguros.

No segundo dia do ano o governo de São Paulo sancionou a lei que regulamenta a atividade de desmonte e reciclagem de veículos no Estado. Os desmanches de carros deverão ser credenciados no Detran e na Secretaria da Fazenda para que possam revender peças ao consumidor. Para que todas as sejam ser rastreadas, elas terão que ser identificadas e ter notas fiscais eletrônicas. São Palo responde por 42% do mercado de seguro de carros no país.

Era justamente isso que o mercado de seguros precisava para tornar o uso de peças usadas possível. A Susep, órgão que regula e fiscaliza o setor, editou há alguns anos uma circular de seguro popular que tinha o objetivo de simplificar algumas regras e processos para baratear a apólice. Esse tipo de seguro, porém, não "decolou" no segmento de auto justamente porque não permitia o uso de peças usadas, uma vez que não existia lei que regulasse isso. O diretor da Porto Seguro lembra que peças de segurança usadas não poderão ser reutilizadas.

A Susep, porém, só deve reeditar essa circular incluindo a possibilidade de uso de peças usadas quando a lei for federal, acredita Neival Freitas, diretor-executivo da FenSeg. Um projeto de lei federal semelhante à regulamentação aprovada em São Paulo já foi aprovado na Câmara dos Deputados e, agora, está em análise no Senado Federal. Procurada, a assessoria de imprensa da Susep não retornou aos pedidos de entrevista.

A regulamentação de desmanches também vai baratear o seguro tradicional de veículos - que usa apenas peças novas em reparos e vai continuar existindo junto com o seguro popular. Isso porque a lei vai combater os desmanches que trabalham com peças roubadas e, com isso, reduzir o roubo e furto de carros para esse fim.

Freitas conta o exemplo da Argentina, onde o índice de roubo e furto de carros caiu 50% depois da regulamentação da atividade de desmanches. "Tem que se considerar que a Argentina é um país de dimensões bem menores que o Brasil, e por isso o controle dos desmanches é mais fácil e efetivo. Mas acredito que também vai haver uma grande redução de roubo e furto no Brasil."

Considerando apenas a redução da criminalidade, o valor do seguro de carro tradicional pode cair até 10% com a menor incidência de roubo e furto, dependendo do modelo do carro e do CEP do dono, segundo Pomarole, da Porto Seguro.

Thais Folego - De São Paulo